Curta

28 de jun de 2011

Vamos passear?


Você chegou aqui no site porque buscou algo referente à “mãe solteira” e se deparou com alguns artigos e alguns “desabafos” sobre uma mãe que é/está solteira, não é verdade?

Não é nosso intuito fazer da nossa experiência a verdade absoluta em termos de criar um filho sem pai.

O que pretendemos, em principio, foi criar um espaço no qual você pudesse se identificar e trocar experiências de forma agradável e com humor.

Eu já contei sobre minha caça a um pai e algumas experiências traumáticas que pretendo, num futuro próximo, não repetir.

Contei sobre a primeira vez na escola e até relatei o caso – verídico – no qual fui chamada para falar dos “problemas” do meu rebento.

Esse caso está em processo de analise, pois eu não sei muito bem o que fazer com ele.

Sabe como é: sou mãe de primeira viagem que pela primeira vez matriculou o filho em uma escola e foi ter uma “conversa séria” pela primeira vez com a diretora. Não estava preparada para o que aconteceu.

Mas, conforme for acontecendo, vou contando aqui. Pra adiantar, marquei a psicóloga para atestar a normalidade do meu rebento. 

Concordo que é ridículo querer atestar normalidade, mas preciso de “provas” para agir, quando souber como...

Hoje vou abordar um assunto que pode ser até de utilidade pública!

Eu sou uma mãe solteira que não planejou e que por isso não estava totalmente estabelecida financeiramente na vida.

Criança dá gasto, você deve saber.

E como quero que meu filho conheça mais do que a escola do bairro e o interior de nossa casa, aprendi a buscar passeios alternativos.

Então nossos passeios funcionam mais ou menos assim:

- salário caiu no banco: shopping com direito a brinquedos e lanche.

- segunda semana pós pagamento: lanche em casa, passeio ao shopping com direito a brinquedos.

- terceira semana: parque.

- quarta semana: parque.

Bem, tenho ouvido aqui e ali algumas mães afirmarem que não saem com os filhos porque não tem dinheiro, porque não tem um pai que pague pensão e que ajude com as despesas e etc.

Eu concordo que os gastos são grandes, ainda mais quando alguma virose sonsa chega para deixar na farmácia o rendimento de meio mês, mas existe saída para a crise – temporária, já que somos mulheres modernas correndo atrás do prejuízo e tentando nos estabelecer na vida, não é?

Eu esquematizei nossos passeios de acordo com o meu bolso e posso garantir que Lipe gosta tanto de ir ao shopping e comer um super lanche com direito a brinquedo quanto ir rolar na grama de algum parque com entrada gratuita com direito a pipoca e sorvete de palito.

Ás vezes até acho que ele gosta mais de rolar na grama...

A questão é a seguinte, querida mãe solteira: falta de grana não pode ser desculpa para você não levar seu pimpolho/pimpolha para passear.

Existem passeios alternativos que são tão, ou mais, divertidos do que os shoppings convencionais.

Mas você é uma mulher da era moderna e que trabalha a semana toda e que no final de semana tem que botar a casa em ordem e ainda precisa arrumar um tempo para descansar, não é?

Concordo!

Quando chega o sábado quero acordar bem tarde e passar o dia de perna pro ar.
Mas aí meu lindo príncipe me acorda cedo e pede para brincar.

Olho pros afazeres... olho para ele...

O que quero mesmo da vida?

Se me lembro bem, quero criar um ser humano digno e que saiba que é amado.

Digo até logo para os deveres de casa e levo meu filho para saudar a vida!

Até porque tudo passa tão rápido e ele tem crescido tanto que logo, logo vai chegar e pedir dinheiro para sair – com os amigos.

Então decidi que, enquanto puder, vou adiar o que pode ser adiado e curtir minha maternidade solteiríssima com essa pessoa tão maravilhosa que, como costumamos dizer (eu e Lipe):

- Papai do céu deu de presente para mim!


3 comentários:

  1. Concordo com você, perfeitamente... Sugiro as mães empobrecidas que não trabalham como eu, só estudam, ou fazem estágios que mal dão para pagar os xerox da faculdade e continuar a viver, a seguinte possibilidade: melhor que lugar para passear é ter um tempo para se divertir com sua criança, melhor do que o dia todo com ele, é ter um tempo dedicado só para eles, nem que seja de 15 minutos diários. É o que eu tenho feito, faço treinamentos de pais, lá aprendo a lidar com minha filha e a dedicar a ela um tempo qualitativamente significativo, o que facilita e propicia a ela um desenvolvimento saudável.... abraços, gosto muito das suas histórias, acho muito interessante, e confesso... demorei muito para assumir minha condição de mãe solteira... mas vamos lá... a luta é diária né... bjos

    ResponderExcluir
  2. Parecia que vc estava falando diretamente comigo no incio do post.Realmente me identifiquei e adoro ler seu blog.Em se tratando de grana,só nós mãe que craim seus filhos sozinhas,sabemos como é dificil estender o orçamento até o fim do mês e ainda poder entreter o pequeno.Mas devemos sim,levá-los para passear,independente de tudo,e sobretudo,aquelas que trabalham,assim como eu, arrumar sempre um tempinho para estar com eles.bjos

    ResponderExcluir
  3. Ah... "pernas pro ar" e "maternidade" são duas coisas que não combinam, sendo a mãezinha solteira ou não, rs... Depois que os filhos nascem, adeus "tempo de bobeira", rs...

    ResponderExcluir

Meta a mamadeira!