Curta

5 de jun de 2012

Sai um complexo, entra outro!


Olá queridas mães solteiras e eventuais turistas que caem por aqui, graças ao tio Google!

Hoje acordei de pá virada e depois de ler alguns e-mails que leitoras do site nos enviam resolvi abordar a questão de outra forma.

Lá vai:

Por que nós, mulheres, temos que nos responsabilizar sozinhas pelos filhos que fizemos junto à outra pessoa???

Pelo que eu sei, só aconteceu uma vez a divina concepção e todas as outras bilhares de concepções que existem no mundo tiveram o cooperação ativa de um macho da espécie do nosso lado, de baixo, em cima, ou seja lá qual foi a posição que vocês preferiram na hora.

A questão é: por que sobra para a mulher?

Mais do que isso:

Por que acreditamos que tudo tem que sobrar para a gente?

Então acabamos amarguradas, acreditando que nunca mais seremos felizes, que ninguém nunca mais vai querer se relacionar, pois agora temos uma marca – “mãe solteira”.

Não sabemos se daremos conta de criar um filho/filha e entramos num circulo vicioso de autopiedade terrível que não nos faz bem, acredite!

Se você não foi a garota do show, lá nos EUA (depois coloco a matéria aqui), então deve saber quem é o provável pai de sua cria.

Se você sabe quem é, por que deixar que ele se omita de sua obrigação?

Ou por que deixar tudo tão fácil assim?

Tem momentos que precisamos ser mais firmes com nós mesmas e parar de nos culpar por termos engravidado. Não fizemos isso sozinhas, pelo amor de Deus!

Então, meu conselho – e olha que não sou de aconselhar – é o seguinte:

Se seu namorado, namorido, marido, quando soube da gravidez se pirulitou no mundo, meu bem, corra atrás dos seus direitos – quer dizer, do seu filho/filha.

Vá buscar ajuda profissional, caso necessário, e faça com que esse homem assuma a responsabilidade que é seu dever.

Como disse a Juíza que deu ganho de causa à mulher que entrou com processo contra o pai por abandono afetivo:

Amar é facultativo; cuidar é dever.

Não se deixe abater porque ele te deixou quando soube da gravidez.

Ao invés disso, mantenha sua autoestima elevada e vá atrás do que a Lei te permite: seus direitos e os do seu filho.

Pronto, falei!

Hoje proponho o fim do complexo de “mãe solteira abandonada sem rumo na vida” e o surgimento de outro, mais de acordo com a realidade: “mãe solteira antenada que sabe que têm direitos e que os garantirá para seus filhos”.


Obs.: não, não estou de TPM. Mas tem momentos que precisamos deixar de lado o complexo de cinderela – pobre coitada de mim – e sermos mais firmes na vida.




6 comentários:

  1. Obrigada pela mensagem. As vezes precisamos de um tapa pra acordar....

    ResponderExcluir
  2. esse é um problema que não tive! tive que fazer dna para provar que o cara era o pai, tive que discutir a pensão por meses, e no final aceitar um valor misero para não ter mais desgaste judicial... mas isso não ajuda em quase nada, por que a presença fisica é praticamente inexistente. a pensão é mera ajuda de custo, já que frente aos gastos que realmente tenho não ajuda de verdade.. então o problema é que no final, somos somente nós com nós mesmas. por isso a decisão de ter o bebê tem que ser tomada com toda calma e qdo se tem realmente certeza que se dá conta do recado. caso contrario, garanto, o peso vai te abater alguma hora e vc pode acabar culpando aquele que não tem culpa nenhuma. Meu pequeno completará um ano neste domingo. viu o pai ao todo 5 vezes. não conhece até hj os avós paternos, nem o irmão, que tem 26 anos e assim como ele foi fruto de um "erro"... mesmo assim, não me arrependo! meu filho é forte, saudável e muito feliz pois sabe que é amado!

    ResponderExcluir
  3. Simples de responder sua pergunta1 Mtas mulheres se responsabilizam sozinhas, pq na maioria das vezes se aproveitaram da confiança que o ifeliz depositou em vcs safadas, e não usaram preservativo, acreditando que vcs não seriam capazes de ousar na má intençao de engravidar qd não havia nada planejado e mto menos nenhum remoto interesse do infeliz em ter um filho com vcs vadias, mal amadas, desesperadas p/ ter um macho ao lado e que usam desse artíficio baixo e vulgar na esperança de "amarrar" o homem qd se sentem ameaçadas de perder o sujeito.

    ResponderExcluir
  4. que absurdo o q esse anonimo escreveu!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ELE DEVE SER UM GAY MAL AMADO!!...KKKKKKKKKKKKK

      Excluir
  5. - Nem dá para acreditar que existem pessoas que pensam assim como esse anônimo, com certeza a mal amada a desesperada não somos nós é essa pessoa, que deve ser um pai covarde ou uma esposa traída infeliz, que triste.

    ResponderExcluir

Meta a mamadeira!