Curta

29 de fev de 2012

S.O.S., Lei, filhos sem pais.



Olá querida mãe solteira!

Nós sempre abordamos o tema de nossa condição com um senso de humor meio ácido, afinal, se não conseguimos fazer piada de nós mesmas, acabaremos sucumbindo ao preconceito que a sociedade – ainda- despeja sobre nós.

Entretanto há momentos nos quais se deve levar o assunto um pouco mais a sério.

Vendo o vídeo da matéria que saiu no Fantástico deste domingo achei pertinente colocar o link aqui no site, até porque ele aborda uma das questões que mais nos afligem:

- Como será para nossos filhos e filhas não ter o nome do pai?

Veja o vídeo aqui e reflita.

Nós temos uma opinião se formando sobre isso que é a seguinte:

Ninguém contou porque o pai não esteve presente na vida dessa criança – no caso do homem.
A mãe o procurou? Ele se negou na época a assumir o filho?

Por ora não saberemos.

Sabemos de nós, que decidimos ter um filho sem pai, pois o produtor do espermatozóide não se dispôs a ser o pai. Ou em outros casos até se propôs, mas desapareceu da vida dessa criança.

O que fica da matéria é a idealização da figura paterna e uma reflexão que devemos fazer: até que ponto deixar que nossos filhos idealizem o suposto pai?

Aproveitando, decidimos colocar o link da Lei que dispõe sobre reconhecimento de paternidade. Leia sobre ela aqui.

Não estamos aqui para verdades absolutas, como já dissemos anteriormente, mas para pensarmos juntas sobre essa situação e ponderar sobre o que é melhor para nós e nossos filhos.

Boas reflexões!


9 comentários:

  1. O pai do meu filho o reconheceu legalmente, nunca questionou nada... agora vem com um papinho de que a criança não se parece com ele, meu filho tem um ano e reconhece ele como pai. Mas o "elemento" está tirando o corpo fora ignorando meu filho. Gostaria muito de fazer DNA e esfregar na cara dele... mas não sei se vai valer a pena pq ele já deixou bem claro que não gosta do meu filho. Alguém conhece um matador de aluguel????? Brincadeira.... Preciso de ajuda qto ao DNA pq não tenho grana pra fazer!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O DNA custa 500,00 reais e pode ser dividido

      Excluir
  2. Essas matérias que passaram no fantástico estão ajudando a aumentar o preconceito com nós, mães solteiras, pq o cara some, ou sei la oq, e depois a culpa é da mãe que tirou o direito do filho...!¹? Dai-me paciência

    ResponderExcluir
  3. Procurar a OAB de sua cidade é uma alternativa.
    A justiça arca com as custas do exame de DNA. O problema é o tempo... Leva em média 2 anos um processo desses. Mas nossos filhos não valem esperar esse tempo? Creio que sim!

    O problema dessa série do fantástico são dois: as mães aõ culpadas e os filhos viveram a vida idealizando um pai perfeito.

    Então a reflexão que me propus e propus à vocês foi:
    Será que não seria melhor correr atras do direito dos nossos filhos agora do que esperar eles terem 30 anos, terem vivido a expectativa de um "super pai que mudaria minha vida para melhor" e correrem atras do sujeito?

    Estou pensando muito nisso ultimamente...

    Deixo Lipe idealizar o pai, como aconteceu com essas pessoas?
    Ou vou pra justiça, ele vai ter o nome do pai, vai conhecer a figura e vai crescer sabendo que a ausência do produtor do espermatozóide não foi uma escolha minha, mas do sujeito....

    Enfim, refletindo!!!

    ResponderExcluir
  4. Acredito que o melhor a fazer é procurar a justiça para que o pai reconheça o filho, se ele tiver dúvidas peça o dna que pode demorar mais quando sair o resultado vai calar a boca do "idiota", estou gravida e o pai vazou na braqueara, mas quando nascer ele vai abraçar uma jaca e das grandes, porque não estou disposta a criar sozinha e ainda depois ser culpada por ter privado ele da convivencia com o safado.Essa rede globo não ta com nada mesmo, os cara somem e nós somos as culpadas...

    ResponderExcluir
  5. O doador de esperma do meu filho, reconheceu, tem o nome na certidão, visita 1 vez a cada 2 meses ou qdo a mãe dele fala muito na cabeça dele...mas enfim...
    Essa reportagem só fez crescer o preconceito que já existia com mãe solteira, toda vez que faço uma entrevista de emprego, q eu falo q tenho um filho pequeno (meu amor tem 2 anos, mta saúde e safadeza de sobra rsrs) e q sou solteira, acontecem 2 situações: ou a pessoa muda a expressão na minha cara e olha do tipo BISCATE, ou se for um homem já olha com aquela cara de sem vergonha que estampa na testa: ESSA AI EU VO COMER...
    Até quando teremos que passar por esse tipo de situação...depois dessa b... de reportagem só pioro...
    Já to cansada de ser pré julgada por pessoas que não tem a menor noção do que a gente passa...

    ResponderExcluir
  6. Perceberam que isso é uma peste que vem nos assolando , um bando de imbecis que tem por ai. Não me abalo com ssa sociedade hipócrita , tenho um pai dentro de casa que só tem a nomeclatura de tal pois atitude mesmo passa longe . Minha filha era julgar quanto ao pai dela nunca vou esconder nada , ele só a viu quando nasceu e fez 2 ligaçoes em 5 meses , conclusão: tenho pena de um ser desses pois está desprezando uma dádiva de Deus !

    ResponderExcluir
  7. Conheci meu Pai aos 18, minha filha com 10 dias. Situações diferentes mas que explicitam, em sua origem o mesmo sentimento: egoísmo.

    Confesso que ter se tornado pai e, desta forma, mudou muitas coisas dentro de mim e isso aconteceu há menos de dois meses.

    Hoje, tentando me informar a respeito de meus direitos, lí diversos comentários que como os que aqui estão, assustam-me, entristecem-me.

    Qual será o direito superior de mães que de forma tão estúpida privam seus filhos de um direito tão primordial como o de saber quem é seu pai?

    É como se vocês se pusessem numa posição superior e pior, de vítima NECESSARIAMENTE.

    Em que razão baseiam-se para que se sintam acima e além de todos os outros?

    Tenho certo o fato de que a mulher, de modo geral e infelizmente, ainda sofre MUITO com discriminações e tudo o mais, seja da sociedade ou mesmo de PSEUDO homens que as violentam em todos os sentidos.

    Mas me pergunto se a reação da maioria que encontrei não gera também MAIS VIOLÊNCIA...

    O único comentário razoável é o de Lilian, que ao menos reflete.

    No mais, apenas egoísmo e porque não, insensatez em sua forma mais extrema. Algo mais ou menos como protegerem-se de suas inseguranças e medos escondendo os fatos, gerando mais dor, aflição e angústia naquele/a que é o/a mais importante: o filho/a!

    Acordem, encarem de frente e não se escondam atrás de desculpas. Muito lamentável, tanto quanto o anônimo que utilizo aqui para não me sujeitar por um capricho "das coisas da vida" a mais privações.

    ResponderExcluir
  8. São vcs que escolhem os país dos seus filhos, não foram eles que escolheram como mãe dos filhos deles! Acho muito hipócrita vcs dizem que amam seus homens e engravidam, depois eles não assumem e a culpa é deles só porque eles, na verdade, nunca tiveram vontade de serem pais, mas a mulher muitas vezes engravidam só pra prender o homem, ou mesmo criar um vínculo porque são dependentes emocionalmente, a mulher deve sempre pensar no futuro dessa criança, que amanhã será um adulto, portanto precisamos pensar, antes de ter um filho de alguém, se esse alguém está realmente disposto a assumir esse tipo de compromisso, porque se o cara não é um bom homem, porque tiveram um filho dele?! Porque não esperaram pra conhece-lo melhor?! Ou porque não se cuidaram?! Desculpe amigas, mas homem nenhum porá pílula na goela de vcs!! Vamos pensar minha gente!!!

    ResponderExcluir

Meta a mamadeira!