Curta

20 de dez de 2010

SOS Mãe Solteira

SOS Mãe Solteira

Por que SOS?

Em inglês Save Our Souls significa salve nossas almas.

Creio que, assim como eu, você, mãe solteira, pede ou pediu a todos os deuses, santos e milagreiros para que sua alma não sucumbisse ante a inesperada notícia da gravidez.
Muitas mulheres foram pegas de surpresa com a notícia. Outras planejaram antecipadamente, mas creio que até essas recorreram, em algum momento, as orações. 

Para abrir o SOS Mãe Solteira, vamos falar sobre o preconceito que nós, muitas vezes, temos em relação ao termo. Preferimos dizer que tivemos uma “produção independente” em vez do politicamente incorreto “mãe solteira”. Vamos explicar porque o “mãe” e o “solteira” são corretos.

Por que Solteira?

Quando faço um cadastro, seja nas Casas Bahia ou na Receita Federal, em estado civil escolho a opção “solteira”.

Mesmo que você tenha tido um filho dentro de um matrimônio, mas hoje se encontra separada, quando vai preencher um cadastro raramente encontra a opção “desquitada”. Pode encontrar a opção separada na Receita, mas no Facebook (onde você vai encontrar seu futuro paquera) só o solteira mesmo.

Tem a opção independente? Não!

Tem o número de filhos: escolho a opção 01.

O que significa que sou mãe de um filho e que sou solteira, ou seja, sou mãe solteira.
Isso me define? Não. Sou muito mais do que uma mãe solteira, mas por que ter preconceito contra algo que define minha condição em ser mãe sem ter um casamento/marido/pai?

Por isso a escolha do SOS Mãe Solteira.

De fato, não precisamos de alguém que salve nossas almas, mas uma ajudazinha básica quando nos sentimos meio perdidas não pode ser desprezada. 

E também não precisamos sair por ai nos auto-intitulando “mãe solteira”. A não ser, claro, quando preenchemos cadastros.

O que pretendemos, em principio, é criar uma identificação que permita que nos reconheçamos uma na outra a ponto de compartilhamos nossas dúvidas, aflições, soluções e interagirmos, trocando experiências.

Nosso primeiro passo se dará no sentido de criar um canal de comunicação no qual abordaremos temas relacionados à vida de uma mãe que não tem ao seu lado, e do filho, a figura paterna. 

No nosso barco (ou canal) poderão embarcar as mães que não planejaram a gravidez; aquelas que planejaram; aquelas que tinham um pai presente, mas que hoje não o tem mais ao lado; enfim, qualquer mulher que entre aqui e se identifique com os sabores e dissabores da vida de uma mãe solteira.




Já que a proposta é de um canal de comunicação, ajude-nos a escolher o próximo tema:

Meta a "mamadeira" e escolha o próximo tema!

55 comentários:

  1. Estou te seguindo.
    Me segue também.
    Parabéns pelo blog!

    http://palavrasdopoetamf.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. O tema do blog é uma boa iniciativa. Que seja sucesso!

    ResponderExcluir
  3. Parabéns pelo blog, não sou mãe mas achei muito interessante e considero muito relevante discutir estes temas que devem fazer parte do interesse de muitas mulheres, principalmente das que compartilham situações e conflitos semelhantes.
    Sua forma de se expressar nos textos os tornam muito atrativos.
    Estarei te seguindo.

    ResponderExcluir
  4. Olá! Parabéns pelo seu Blog! Adorei!
    Já estou lhe seguindo!
    Aproveitando também para divulgar os meus Sites...
    Siga-me também!
    Tem Sorteio de natal por lá!
    http://www.martas-bgfs.com (Templates personalizados para Blogs)
    http://www.brilhosgifs.com (Gifs para Orkut e enfeites para Blogs)
    Abraços,
    Marta.

    ResponderExcluir
  5. obrigadoo por me seguir!!
    to te seguindo tbm! =D

    http://saponoiado.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Iniciativa nota 10!
    Não conheço muitos blogs com essa temática, Então por isso prqa mim já é excelente. Belo post bela iniciativa!
    Sucesso!

    ResponderExcluir
  7. Hoje no Brasil existe um índice muito grande de mães solteiras e jovens :s

    parabéns pelo blog e iniciativa

    ResponderExcluir
  8. É isso ai, que salvemos nossas almas mesmo,,,e as mães solteiras, todo o carinho e apoio do mundo,,,que salvem nossas crianças tambem,,,beijo de boa semana pra ti,,,adorei sua visita...volte sempre.... que desejar.

    ResponderExcluir
  9. Um imenso beijo no seu coração e o desejo que tenha um lindo dia....

    ResponderExcluir
  10. Muito boa a proposta do blog!
    Gostei muito, é original e algo de grande importância pra vida de muitas mulheres. São muitas mesmo, e ter um espaço de discussão como esse faz grande diferença.

    Parabéns :)

    ResponderExcluir
  11. Oi tudo bom? gostaria de divulgar seu blog e conseguir mais seguidores? entre agora msm no : http://divugblog.blogspot.com/
    ou entre em contato : klevysonsa@hotmail.com
    so precisamos de seu banner para que seu blog seja divulgado, se ñ tem banner ,fazemos pra vc , ou pegamos o link do seu blog. Aguardamos contato, obrigado.Seja nosso seguidor e seguimos vc tbm.

    ResponderExcluir
  12. Olá! No momento estou apenas te seguindo, mas prometo voltar e comentar em breve suas postagens!Agradeceria se seguisse o meu blog, assim criamos um vínculo que facilite a divulgação de amos os blogs! passa lá?
    http://medicinepractises.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  13. Olá, gostei muito do assunto que você abordou. Sou mãe solteira e tb passo por cada uma, ainda estou na fase de adaptação mas sei que vai dar tudo certo!

    ResponderExcluir
  14. Para mim, o que existe são mães e pais. Não ouvimos expressões: mãe casada, mãe viúva, pai desquitado, pai divorciado, etc. Porque dizer da mulher que teve um filho sozinha, ela é mãe solteira?
    Diga: ela é mãe. Solteira, casada, viúva, divorciada, em união estável, todas têm as mesmas alegrias, tristezas, momentos embaraçosos das mulheres com filhos.

    ResponderExcluir
  15. Uma questao importante. Um post muito bem escrito. Meus cumprimentos.
    Paulo R. de Almeida

    ResponderExcluir
  16. Adorei o blog! Eu vivo em crise pela minha condição de "mãe solteira". E como eu sempre digo: eu preciso de ajuda, sim eu preciso. Mas se já não me atrapalhassem tanto, seria uma enorme contribuição.

    ResponderExcluir
  17. Tbm abordo este tema na minha comunidade.Minha mãe criou 3 filhos sozinha e fez um ótimo trabalho.O homem pode ate ser necessário mas não indispensável.
    Participem e divulgem minha comunidade,o tema é
    -Feliz Dia Dos Pais,Mãe!

    http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=92973190

    ResponderExcluir
  18. Gostaria de apimentar o debate!

    O que é ser mãe solteira? Carregamos esse estigma se tivermos um filho sem ser casadas, mas será que hoje podemos pensar dessa forma? E voltamos na questão do estado civil, preencho os dados do cadastro das casas Bahia, divorciada, três filhos. Pronto, tá resolvido não sou mãe solteira. Que lógica é essa? Mesmo que na certidão de nascimento conste um nome na paternidade, será que o filho tem um pai?

    Acredito que devemos repensar essa questão também, pois esses dados formalizados não implicam que haja paternidade. Vamos questionar de novo? O que é paternidade? Acho que a Lilian escreveu em seu depoimento sabiamente “um produtor de espermatozóide”. Tenho três filhos, todos têm em suas certidão de nascimento uma identificação da paternidade, e o que muda a questão inicial? Me considero uma mãe solteira, porque no real, é isso que sou, não compartilho quaisquer vinculação no que se refere à criação desses filhos,de que me serve ter um estado civil declarado, reconhecido?

    Vamos prosseguir esse debate?

    ResponderExcluir
  19. pla bom dia,tenho 23 anos sou casda tenho um filho de 3 anos,namorei com meu marido durante 3 anos engravidei e fiz o que nunca quis fazer ...casar,meu marido tem 25 anos e parece um moleque de 17,minha gravidez foi triste pois ele me deixava muito só,a criação do meu filho só e feita por mim e pela minha sogra pois ele nao paraticipa de nada reuniões na escolinha,brincadeiras passeios nada,estou pensando seriamente em separação mas tenho muito medo do meu filho sofrer...apesar que ele nao tem um certo apreço com o pai eles moram juntos apenas mas sao muito distantes um do outro, a impressao que da e que meu marido nao liga pra o filho que tem na da valor que a criança necessita.Gostaria de um auxilio um conselho,o que eu faço ja tentei conversar ja fiz tudo mas nada adianta a separação será uma forma de eu conseguir respira???? Me ajudem nesse sentido por favor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. NA ALEGRIA POBREZA E TRISTEZA TAMBEM,ESSES SÃO NOSSOS VOTOS ETERNOS.BOM A SEPARAÇÃO SIGNIFICA FUGIR DE ALGO QUE PRECISA SER ARRUMADO CONCORDA?ENTÃO NÃO SERIA MELHOR SENTAR E COLOCAR ALGUNS PINGOS EM CIMA DO is....PENSE VOÇES SE CASARAM POR AMOR OU FOI APENAS POR ESTAR GRAVIDA?UMA CRIANÇA NÃO PODE SER USADA COMO FORMA DE PROTESTO OU REEVENDICAÇÃO DE ATENÇAÕ ISSO VEM NATUALMENTE QUANDO SE AMA ALGO..OU ALGUEM!! DEIXE O TEMPO AMADUREÇER SEU MARIDO ELE VAI CRESÇER MAS NÃO VAI SER AMANHA LEVA ALGUM TEMPO ..LEMBRE-SE VOÇE JA TEVE SUA FASE DE CRIANÇA TAMBEM E CRESÇEU APÓS SEU FILHO LINDO NASÇER E HOJE VOÇE É UMA GRANDE E AMOR0SA MÃE SAÚDE E SE AMÉM SÃO MEUS VOTOS DE FELICIDADES A VC.

      Excluir
  20. Olá!Gostei muito do blog, especialmente porque poderá ajudar muitas mamães solteiras!Beijo!

    ResponderExcluir
  21. Boa noite.
    Primeiramente, gostaria de parabenizar pela iniciativa e dizer que o blog tem me ajudado muito.
    Tenho 21 anos, e estou grávida do meu até então namorado. Na primeira semana que ele soube que ia ser pai, ficou todo feliz, mas depois foi perdendo o interesse e terminou o relacionamento comigo, me deixando com as seguintes palavras: A partir de hoje não namoro mais você e você só vem falar comigo coisas do bebe, além disso, esquece.
    Isso tudo, por que a minha mãe ligou para ele dizendo que queria conversar com ele. Só por isso.
    Bom, todos menos ele, percebem a atitude infantil que ele vem tendo.. e coloquei na minha cabeça, a unica pessoa que sai perdendo é ele. E também a unica coisa de bom que ele me deu, foi o filho. De resto posso esquecer mesmo.
    Fica aqui o meu agradecimento pelo blog e ofereço o meu apoio a outras mães solteiras, e com muito orgulho de superar todas as dificuldades sozinhas. Somos fortes, somos capazes, somos mulheres!

    ResponderExcluir
  22. Bom tenho 24 anos, sou mae solteira! ainda estou gravida com 38 semanas. No começo foi muito dificil pra eu aceitar que estava gravida de uma pessoa que eu nunca amei e que além de tudo me deixou com toda responsabilidade, contar para meus pais, ver minha barriga crescendo e eu abrindo mão mesmo que temporariamente de mim. Hoje entendo que a Ana Valentina veio como meu centro meu apoio veio pra me dar limites e aprender a amar incondicionalmente, não sei bem o que me espera mas a cada dia venho vencendo os preconceitos (que são muitos) e aprendendo responder a pergunta E o pai? Hoje não me sinto com vergonha mais ainda possuo muitos medos me sinto sozinha achando que só eu passo por isso ... espero encontrar aqui mais que conselhos amigas para ajudar e ser ajudada a seguir essa jornada a mais linda de todas Ser Mãe!

    ResponderExcluir
  23. Assim como a Luana Santos.. Estou grávida com 20 semanas.. e sozinha! Logo depois que engravidei descobri que o pai do meu filho está noivo e morando com uma mulher que o sustenta em Campinas. Nada é pior do que ter que responder pelo pai! Vamos nos ajudar meninas! muitas vezes me sinto deprimida demais!

    ResponderExcluir
  24. Somos mães guerreiras, "mãe solteira" é um rótulo preconceituoso. Aconteceu comigo há 30 anos atrás. Se ainda hoje somos vítimas de preconceito, imagina há três décadas. Mas querem saber? O preconceito, para mim, nada mais é do que uma mega ignorância combinada com hipocrisia. Devemos levar, com muita dignidade, essa situação que nos foi imposta por homens covardes e sem caráter. Todavia, meu filho é uma bênção de Deus.

    ResponderExcluir
  25. Ser mãe solteira não é crime nem pecado. Então por que tanto preconceito???

    ResponderExcluir
  26. Tem muita celebridade, em todo o mundo, que foi criada sem pai. Abaixo o preconceito. Somos vitoriosas, fortes, defendemos nossos filhos como leoas.

    ResponderExcluir
  27. achei perfeito o debate! tive uma aventura por minha própria iniciativa, e claro tomei a pilula, mas esta não funcionou, quando descobri que estava grávida foi uma aflição só. Agora preciso conviver diariamente com o preconceito, principalmente dentro da minha própria casa. Meu filho (ou filha, ainda não sei o sexo) vem pra me dá apoio, uma base mais firme para lutar contra todas as barreiras que estão por vir. Não vejo o pai da criança com maus olhos fomos pegos desprevenidos nessa, mas sei q ser rotulada "mãe solteira" é algo mesquinho... vou estar sempre acompanhando o blog, adorei a iniciativa.
    abraços

    ResponderExcluir
  28. Boa noite!
    Estou passando por um grande dilema, sou mãe solteira tenho 33 anos meu filho tem 2 anos e 8 meses, desde que engraidei parei de sair, então agora resolvi a começar a sair com minhas amigas, porém meus pais são contra, moro com eles e isso tem me magoado. Por que uma mãe solteira não pode ter uma vida ativa, arrumar um namorado, sair para dançar? Gente quero compartilhar minha angústia com vcs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Luciane eu ja passei por isso tb a 20anos atras, mas eu entendo que ninguem tem obrigação de ficar com nossos filhos pra sairmos, eu nao me sentia a vontade e minha mae tb nao ajudava.
      Fica calma q logo isso passa, deixa seu filho crescer mais ai as coisas melhoram.

      Excluir
  29. Bom, tenho uma história bem parecida com as de algumas garotas aqui...
    Tenho 24 anos, namorei alguns meses um homem de 32 e quando ele falou em casamento pra mim, eu descobri que estava grávida...ele não quis ir até meus pais comunicar, deixou tudo comigo. Minha família de forma alguma aceitou e fui colocada pra fora de casa. Ele? me abandonou grávida de 2 meses. Hoje estou com 38 semanas de gravidez, levando tudo sozinha, às choro, sim choro e muito, mas resolvi erguer minha cabeça e seguir em frente porque o que carrego em meu ventre foi o maior e mais lindo presente que já recebi de Deus. Quem perdeu e muito foi esse indivíduo, sem coração que não terá a alegria de escutar o choro mais lindo do universo, que não poderá ficar horas e horas olhando para um serzinho e dizendo: "pedacinho de mim!"...quer saber saber, se eu o encontrar na rua direi o seguinte: "Obrigada por ter ido embora e deixado comigo sua maior riqueza.". Gente, meu filho que está prestes a nascer, na verdade agora, é minha vida, o amo com todo o meu ser.
    Este título "mãe solteira" é apenas um detalhe...eu quero é fazer meu filho muito feliz e amado.

    ResponderExcluir
  30. Bom vou descrever minha estória antes de perguntar....
    Tive um relacionamento com uma mulher, durante 2 anos e 8 meses, dos quais passamos morando juntos 1 ano e meio.
    Nossa vontade sempre foi declaradamente de ter um filho, constituir família, etc... Só que ela por ja ter tido problemas de pressão, e ter que tomar remédio para tireoide, pois por atrofia da mesma, teve que retirar tal glândula, e fazer a reposição com hormônios.
    Por este motivo, ela achava que nunca iria engravidar.
    Nosso relacionamento começou a esfriar e a entrar em ritmo de rotina, tínhamos varias discussões, mais percebi em meados de Outubro de 2011 que ela não estava menstruando, e perguntei se ela não poderia estar gravida. Ela sempre negou, e no dia 02 de novembro, em pleno feriado, ela vem falando que não poderia dar mais o que eu queria como mulher (amor, sexo, atenção etc...), e que logo eu iria trair ela, por isso ela iria embora de casa.
    Tentei por varias vezes me reconciliar, mais em vão.
    Mesmo apos o termino ainda a indaguei sobre uma possível gravidez, e ela negou veementemente...
    Bom como não me senti confortável morando na casa, e na cidade onde estávamos, resolvi transferir minha faculdade para minha cidade natal, voltei a morar com meus pais, como ela também.
    Chegando aqui achei estranho ela ter me bloqueado em todas ar redes sociais, trocado o chip do celular, etc....
    Achei que era só pra esquecer o passado, e também fiz algumas coisas como excluir orkut etc... Mais eu sempre tive uma duvida, na época não sabia se era por motivos de resto de uma paixão ou amor inacabado, ou por ter algo de errado no mundo de OZ...
    Entrei no Facebook dela em fevereiro através de um outro Facebook que tenho, e vi que ela tinha ficado internada, me preocupei, e mandei uma mensagem para uma amiga em comum, e esta me fez de bobo, falando que estava tudo bem... Também vi outras mensagens como "em compasso de espera", "Ja estou em casa, apesar do susto não posso fazer nada..." entre outras...
    No dia 03/03/12 entrei novamente e vi um ex aluno dela a parabenizando pela filha que estaria por vir... Fiz as contas e vi que ela poderia estar de 6 meses. Perdi o chão, pois sempre quis ter um filho com ela, e alem de ter que superar a falta que ela me fazia sem querer ser melodramático, agora tinha mais isso, isso meio que encheu meu coração até de uma leda esperança, de reconciliação, peguei o carro enfrentei 3hrs de viagem, para ver do que se tratava, fui humilhado pelo pai dela, e destratado por ela. A mesma se recusou a passar seu novo celular, e limitou meu acesso a apenas email curtos e grossos, e mesmo assim so respondendo quando tinha vontade, e por telefone, ao qual ela nunca podia atender porque estava de repouso, pois apesar de eu ou minha advogada, não termos acesso a nenhum atestado medico falando de risco de gravidez, ela disse estar correndo o mesmo e que não poderia se "estressar"... e que pasmem, ela estava ja entrando no 9º MÊS DE GRAVIDEZ... E NÃO SEIS COMO DESCONFIAVA, RESUMINDO ELA SABIA QUE ESTAVA GRAVIDA QUANDO FOI EMBORA E OMITIU TAL INFORMAÇÃO.
    Ela alega que só descobriu a gravidez no 6º mês... Será?
    Mais o estranho é que ela divulgou a gravidez para quem ela quis, teve forças para recuperar a senha do meu email e entrar no mesmo para ver o que eu estava fazendo, e o mais hilário é que somente eu é que a estressava, ("nossa como sou um monstro...")
    Vejam, e o mais complicado, ela parou de me fornecer se quer as básicas informações se quer se ainda estava pelo menos viva.... e se limitou a falar que me avisaria quando a Bebe nascesse...
    Bom a bebe nasceu, e o que ela fez? A registrou somente no nome dela.... Grande mãe... Parabéns por tentar fazer de mais um anjo órfão de pai....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa q louco tem coisas que não entendo enquanto umas lutam para q o pai reconheça essa ja faz o contrario, Lute pelo seu filho por que é seu direito... " Boa sorte"

      Excluir
    2. Estou lutando, odeio ter que ficar "espionando" e apenas tendo migalhas de informações, enquanto nossa JUSTIÇA vai em passo de tartaruga, ela coloca brinquinhos na menina, a usa de troféu por ai, se faz de mãe coruja, etc...
      E mais eu até hoje não vi se quer uma foto da menina... E o mais irônico de tudo ela faz aniversario no mesmo dia que eu, em meses diferentes...

      Excluir
    3. Tem certeza que essa filha é tua, que estranho, eu em, ela esfriou com você do nada, te deu pé, ficou grávida e do nada te exclui... Sei não ver l´´a se não está estressando a toa.

      Excluir
    4. Bom o DNA vai falar, so sei que se não for minha nada como uma ação de danos...

      Excluir
  31. Vou tentar resumir um pouco da minha Historia,Em outubro de 2010 conhecir um garoto o qual tivemos um relacionamento não muito serio nos viamos uma vez por semana, e ambas partes desmostrava gostar de esta em companhia um do outro, mais por alguns proplemas pessoais da minha parte, paramos de nos ver e sem dar qualquer satisfação um ao outro, mais eu ja mais poderia imaginar o que estaria a mim esperar a frente no inicio e Dezembro de 2010 comecei a sentir uns sitomas muito louco, tontura, enjOos, muito sono etc... mais não me preocupei achei q fosse cansaço ou estresse do dia-a- dia e assim deixei levar,so que continuei a sentir os problemas e com mais frequencia ,procurei um medico e ele disse que eu não estava gravida, e o que eu fiz acreditei so que no mês de março de 2011 estava na casa de uma amiga, e fui ao banheiro, eu começei a me olhar no espelho, e inusitadamente apertei a pontinha dos meus seios, saiu uma agua branca, sai correndo a te a rorô e disse q o meu peito tava com leite, (rs fui uma situação muito louca) ligamos para a farmacia aonde pedimos um teste de gravidez fiz e na hora, deu positivo quase tive o troço, msm vendo q tinha dado positivo não acreditei e comecei a falar não é possivél,não é possivél ai minha amiga disse vamos ao medico e fazer uma ultrasom, chegando lá a minha duvida foi concretizada a certeza ja esta gravida de 20 semanas fiquei louca e com muito medo da reação da minha familia, mais Deus me revertiu de forças e coragem, afinal teria q enfrentar o fato de contar para o pai aquele garoto q tinha me envolvido em outubro de 2010, foi dificil , pq tinha uns 4 meses q eu não o via nem falava com ele, mais eu tinha q contar liguei pra ele e deu a noticiia ele teve uma reação q me surpriendeu, falando q agora não teria como se arrepender e se assumir a responsabilidade, ele ficou feliz e se mostrava muito enteressando no bb isso ate as 6 meses, por que dirrepente ele mudou , não se importava mais como nós não perguntava da criança,ligava pra ele e me maltratava, se transformou em uma pessoa completamente desenteressada, sofrir muito muito muito, por que quando eu mais precisei dele ele não estava presente, pra mim naquele momento não interessava a ajuda finaceira e sim a moral, o apoio a segurança , mais não tive e isso me deixou muito frustrada ter q lhe dar com tudo, trabalhei ate os meus 7 meses para dar o maximo conforto ao meu filho me mudei para outra cidade onde tive meu bb, o pai não o conhece pessoalmente mais se por foto, e teve a coragem de dizer que o filho não é dele por que não parece com ele,ninguém merece, meu filho hoje tem 7 meses é a coisa mais fofa do mundo é aminha razão de viver, e literalmente o meu coração pulsando fora do meu corpo, fui dificil ter q passar por tudo isso na ausencia do pai mais acredite a presença dele agora não faz diferença, eu preencho no q é possivél pois a que eu não alcançar tenho fé e acredito que Deus preecherá...

    ResponderExcluir
  32. Deus me livre me envolver com mãe solteira!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não diga isso, ser mãe solteira não é doença, vc não sebe o que aconteceu com a pessoa pra falar isso. Se um relacionamento não deu certo, pq a pessoa não pode ter uma segunda chance? Machistas o mundo esta cheio.

      Excluir
  33. Eu sinceramente penso que em casos raros onde a mulher ou a criança foram abandonados, sempre tem um dedo de culpa pela mãe estar solteira... Eu teria um pé atras em me relacionar com uma mulher que priva o filho de ter um pai presente, se achando a própria NSª Senhora...
    Quer ser mãe solteira? Vai no Banco de espermas e pede para ser fecundada não envolva outra ser humano em seus devaneios de independência...

    ResponderExcluir
  34. Da mesma forma que a lei Maria da Penha foi criada, por que é a mulher que sofre pela violência domestica, proferida pelo homem tanto verbal quanto fisicamente, a lei de alienação parental veio também para tentar sanar uma violência tão grande quanto, pois envolve não somente o genitor não morador, mais também a criança, a maior vitima de tal ato, pois em mais de 90% dos casos tal violência parte da MÃE.
    O judiciário tem que parar de proteger a mãe, e começar a olhar para o filho, filho não é moeda de troca, não é arma de vingança nem troféu... É lei, alienou gravemente tem que haver inversão de guarda, houve ato ilícito com abuso de direito e dano moral, INDENIZAÇÃO...
    Oras se o pai tem o dever de pagar alimentos gravídicos somente cabendo a mãe provar singelamente que teve apenas uma relação sexual na época da concepção da criança(nascituro)com o suposto pai, por que a mulher tem o direito de esconder, registrar e criar o filho alienado a sua paternidade que também é um direito constitucional?
    A mulher pode simplesmente "matar" a figura do pai legalmente, mesmo sabendo quem é o pai, mesmo que a criança seja fruto de outrora uma relação estável, falando no cartório que simplesmente não quer que o pai seja avisado. E isso não é um abuso de direito?
    Privar o pai de sequer ver a foto de sua filha, de registra-la, de ama-la, de criar laços com ela, assumir suas responsabilidades, tudo isso, será que a mãe deve ter tanto poder? E nada pode ser feito?
    Até quando o judiciário vai "ACHAR" que a mãe vai mudar, que é só um fase, que isso é "AMOR" pelo filho...
    Amar o filho, não é trocar fraudas, dar de mamar, e sim lutar para assumir suas responsabilidades, e garantir os direitos da criança mesmo sequer sabendo o rosto do pequeno ser, por que a "imaculada santa mãe protetora", pode, faz, executa, se vinga, e tudo isso em nome do amor...
    Faço aqui uma comparação, com os seguidores de certas religiões que justificam suas barbares em nome da fé, matam, estupra, destroem, porque sua fé justifica.
    Da mesma forma que um homem que tem a responsabilidade de proteger seu lar, quando se torna o causador da dor, por agredir seu filho ou mulher, tem que pagar severamente por isso, a mulher que por achar por qualquer motivo que seja, (salvo em situações de risco grave e eminente), que tem o direito de tornar órfão de pai vivo seu filho, por pura maldade, deve PAGAR, deve ter rigidamente sua conduta avaliada e ser responsabilizada sem o olhar de "Mãe Protetora".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aff! vc deve ter nascido de uma CHOCADEIRA!!!

      Excluir
    2. Não fui de uma mãe de verdade... Não de uma mãe que por interesse em ter a grana do avo da criança, nem por egoismo, me privaram de amar meu pai...
      Você "mães modelo" que devem ter contato direto com o divino, afinal só tem filhos das estrelas segundo Rolf Madaleno..., Ou são hermafroditizadas, e não precisam do sexo oposto para procriar...

      Excluir
    3. A lei de alienação foi criada para ambos pai/mãe, mais da mesma forma que a maria da penha é mais aplicada contra o homem, pois esse é o que mais agride, a alienação vai ser contra a mãe, pois esse é a que mais aliena...
      A mulher tem que saber separar seus interesses dos interesses do seu filho, filho não é propriedade, troféu muito menos premio por ser boa pessoa, é sim uma dadiva não direito.

      Excluir
    4. KKKKKKKKK, pobre homens desprotegidos, com certeza eles amam os filhos, tanto que a maioria dos filhos que estão com as mães solteiras são filhos de pais sem um pingo de responsabilidade, que não queria ajudar, trabalhar, educar, um vagabundo completo, depois vai chorar para o juiz magoadinho, na verdade com medo de ter que arcar com obrigações que não deveria ser imposição por um magistrado.

      Excluir
    5. Bom não vamos misturar alhos com bugalhos....
      A lei não existe para punir e sim para prevenir.
      Se algo acontece e fere o direito de alguém, ai faz-se uso da lei para se trazer a normalidade a situação litigiosa.
      Não importa se o culpado é a mãe ou pai, o que se tem que tentar não prejudicar é o futuro de uma criança.
      O pai não é dono
      A mãe não é dona do filho...
      Portanto não importa se a mãe ou o pai foram os culpados da separação, não é por que não se serviu como marido ou esposa que não será um bom genitor.

      Excluir
  35. Dificil responder a tantos anônimos, mas enfim, vamos tentar!
    Ao anônimo da "santa mãe que prova o pai de seu amado filho", em primeiro lugar deveria perguntar às mães que hoje se encontram nesse situação se o "tão bondoso pai" quer saber do filho.
    No meu caso: NÃO!
    Estou privando meu filho do amor do pai? Quando estava grávida comuniquei ao produtor do espermatozóide e ele disse o que? "Não tenho nada a ver com isso".
    Quando meu filho nasceu informei e disse que não queria nada além do nome do pai no registro de nascimento. Ele compareceu? Não!
    Como eu, acredito que muitas outras mães passaram por situação semelhante e ter ou não o registro do pai na certidão de nascimento do filho não foi uma opção, uma escolha. Foi o que deu para fazer.
    Antes de julgar, você deveria se indagar o que aconteceu na vida de cada uma dessas mulheres que hoje são mães solteiras, porque tenho certeza que encontrará histórias que jogam por terra sua teoria de Alienação Parental.
    Todas? Não sei. Mas creio que a maioria.

    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom seu caso é seu caso, o caso do anonimo está claro.
      1- A mãe sabe quem é o pai e o priva por interesse não por amor.
      2- Ele quer ser pai e existe uma coisa chamada Constituição e ECA e o resguarda desse direito.
      3- Se seu ex não quer ser pai, cabe vc garantir que seu filho tenha o pai dele, pois existe o abandono afetivo, então não venha se aproveitar que ele n quer por talvez estar com raiva de vc, para fazer órfão se filho.
      4- Doador e produtor de esperma? Bem a natureza, Deus, seja qual força maior proporcionou a cada um um papel o homem de proteger a prole, a casa e a família, e da mulher de ser o receptáculo, isso n a torna 1/2% mais importante que o homem na criação de um filho.
      5- Filho não reconhece quem limpou a bunda dele ou deu de mamar, e sim quem quando ele tiver consciência do meio que vive, lhe da carinho e amor, e até mesmo quem lhe privou de ter seu pai/mãe, e vai te julgar sim, vc sendo ou não culpada.

      Excluir
    2. Eu não vou divulgar meu nome pois do jeito que a mãe é, é bem capaz de querer usar contra mim na ação. só tenho a dizer isso:
      http://www.youtube.com/watch?v=YbuP5Q47ZF4&feature=relmfu

      Excluir
  36. Centro Loyola de Fé e Cultura PUC Rio2 de julho de 2012 16:57

    Cine-fórum Brasil: Um país em busca do Pai

    09/AGOSTO/2012 -19h30 às 21h30 - no Colégio Santo Inácio


    O Centro Loyola de Fé e Cultura / PUC-Rio realiza no dia 09 de agosto de 2012 um cine fórum com os objetivos de promover a reflexão sobre o reconhecimento da paternidade, examinando os seguintes tópicos:

    O desconhecimento do pai e suas origens históricas;
    as relações sociais desiguais que geram o filho bastardo no estado brasileiro;
    a filiação e suas Raízes antropológicas e sociais;
    a desqualificação do status de filiação e as conseqüências na sociedade brasileira;
    a paternidade: um assunto de direito e de justiça.

    O filme a ser exibido é intitulado “Nada sobre meu Pai” de Susanna Lira – cineasta realizadora do documentário “Positivas” (vencedor do prêmio de melhor documentário do Júri Popular do Festival do Rio 2010).
    Susanna Lira – cineasta, Diretora da Modo Operante Produções, pós graduada em Direitos Humanos.

    Colégio Santo Inácio (Rua São Clemente, 226 – Botafogo) no horário das 19h30 às 21h30. O valor é de R$10,00 (pode ser pago na hora e serão conferidos certificados de participação)

    As inscrições devem ser realizadas pelo telefone (21) 3527-2010,

    ResponderExcluir
  37. Minha historia é a seguinte: namorei por 7 anos e eu e o pai da minha filha sempre pensamos em ter um bebê. Só q no dia em que eu descobri que estava gravida tudo mudou. Ele era um homem carinhoso e se demonstrava apaixonado, na gravidez tudo acabou, ele só me maltratava, me desprezava, me ignorou a gravidez toda.
    Como se não bastasse ele me traiu durante o tempo que durou a gravidez, tive mtos problemas na gestação por isso, pressão alta, depressão e o pior minha filha nasceu de parto prematuro. Ele até assumiu minha filha, mas esta fazendo da minha vida um inferno. Ele ja deixou claro que não quer nada cmg mas insiste em querer ver minha filha todos os dias mas só pra me afrontar e me fazer ficar presa a ele.

    ResponderExcluir
  38. Bom,eu não sou MÃE SOLTEIRA,ainda!!!
    Deixa eu resumir a minha história para que entendam o que quis dizer com o 'AINDA".
    Tenho um relacionamento de quase 10 anos,mas há apenas 2 meses estamos morando juntos,estou grávida de 5 meses de um menino,queríamos muito que fosse uma menina,mas enfim é um RAPAZINHO que hoje posso dizer QUE AMO MAIS QUE TUDO NA MINHA VIDA.
    Meu então marido,na época de namoro era muito carinhoso,atecencioso e amável comigo,depois que estamos morando juntos isso vem mudando bastante,a convivência está sendo bem difícil e sinto que ele já não me ama mais como antes,confesso que venho pensando seriamente em ir embora,ou seja,voltar pra casa da minha MÃE que é a melhor do mundo e que tenho a mais absoluta certeza de que irá me aceitar de braços abertos e me dará todo AMOR E CARINHO,porém por outro lado tenho medo de me arrepender caso eu vá mesmo embora,pois sei que não é nada fácil criar um filho sozinha,apesar de tudo ele é um ÓTIMO pai pros dois filhos que já tem do primeiro casamento.O problema é: NÃO ESTOU FELIZ e sei que ele também não está,dai me pergunto...SERÁ QUE VALE Á PENA CONTINUAR VIVENDO COM O PAI DO MEU FILHO NÃO ESTANDO FELIZ E NÃO O FAZENDO TAMBÉM?
    Será que ser forte e enfrentar a luta de ser mãe solteira porém mais confiante e feliz não será a melhor escolha que tenho a fazer?
    Alguma mulher ai teve a coragem de tomar a decisão de se separar grávida do pai do seu filho por não estar feliz e não se arrependeu por isso?
    Estou muito confusa sem saber direito que caminho seguir,peço a DEUS paciência e sabedoria para que eu tome a melhor decisão pra meu FILHO e pra mim.
    Parabéns pelo Blog e que o mesmo possa ajudar aquelas que precisam de ajuda,seja com uma palavra amiga até mesmo de uma desconhecida,seja um conselho....
    Beijo grande e QUE DEUS ABENÇÕE E PROTEJA AS FUTURAS MAMÃES,AS QUE JÁ SÃO MÃE E NOSSO AMADOS E FILHOS....AMÉM

    ResponderExcluir
  39. Sou mãe solteira, e não desquitada :( nem cheguei á isso

    ResponderExcluir
  40. O Brasil é um país consagrado a uma entidade identificada como a Padroeira do Brasil, que é a imagem de uma mulher com uma criança no colo. estranho não?? substituir o lugar de pai. Por isso a normalidade quando se trata de divorcio e ser mãe Solteira.

    Carecemos do amor de Pai.

    Brasil um país onde os conceitos religiosos tem influencia em tudo, O normal não seria consagrar o país a Jesus Cristo??? Pois esta escrino na Bíblia Sagrada: bendita a nação cujo deus é o Senhor.

    Quero dizer que não é normal ser mãe solteira isso fere um dos princípios de Deus que é a família. Enquanto não mudarmos as tradições de idolatria do nosso país ele continuará como esta.

    medite.

    ResponderExcluir

Meta a mamadeira!